Já passaram quatro anos. Foi em 2016 que o grupo Art and Soul apostou em Évora para inaugurar a sua sétima unidade hoteleira: o Évora Olive Hotel, um boutique hotel temático dedicado ao azeite. A arquitetura do espaço, localizado no antigo Centro Comercial Eborim, inspirou-se no processo de produção do azeite para conceptualizar o hotel, mas para criar a identidade da marca a fonte de inspiração foi o chafariz de Évora.

A história do chafariz

O chafariz da atual Praça do Giraldo, conhecida como Terreiro ou Praça de Alconchel nos séculos XIII e XIV e simplesmente Praça Grande entre os séculos XV e XIX, veio suceder a um outro aí construído para marcar a conclusão da obra do Aqueduto da Prata, em 1537, que terminava neste local.

O novo chafariz, inserido no plano henriquino de modernização do centro da cidade, e em especial das anteriores estruturas de abastecimento de água mandadas construir por D. João III, foi construído em 1571 pelo arquiteto Afonso Álvares, mestre-de-obras do Infante D. Henrique.

Todo construído em mármore branco, possui planta circular, dividida em embasamento, fuste, taça e arca em forma de píxide, com um remate pinacular a encimar o conjunto. Como elementos decorativos destacam-se oito mascarões a rematar as bicas, de onde a água corre para a taça. O patrocínio régio da obra, realizada no reinado de D. Sebastião, é marcado por uma coroa com cartela na arca, alusiva a este monarca.

Com a sua localização privilegiada no contexto urbano da cidade, diante da Igreja de Santo Antão e na mesma praça onde se realizava, pelo menos entre os séculos XV e XIX, um mercado diário, uma Feira Anual e as corridas de touros da cidade, o Chafariz da Praça do Giraldo constituiu, ao longo dos séculos, uma das mais importantes estruturas de abastecimento de água à população. Para além do seu carácter utilitário, a evidente monumentalidade do chafariz fez com que este se instituísse mesmo como um símbolo de Évora ao longo dos tempos, e sobretudo como marca da renovação urbanística planeada e levada a cabo pelo Cardeal Infante D. Henrique.

O chafariz que virou marca de um hotel da cidade

Para a criação do logotipo, «houve uma pesquisa de pontos de centralidade da vida social, de animação na cidade. O elemento que representa o centro histórico de Évora é a Praça do Giraldo e o chafariz. O objetivo foi procurar na terra algo que fosse diferenciador, uma mancha visual em homenagem à terra, à cidade», explicou o designer Samuel Ribeiro.

A imagem é constituída pelo símbolo na parte superior: o chafariz da Praça do Giraldo convertido em vetor, ladeado por dois ramos de oliveira. O tom é o verde, claramente ligado à cor de azeitona combinado com as quatro estrelas do hotel. Um projeto belíssimo de marca, que mantém a sua coerência visual e onde se aplicam também valores do grupo: conhecimento, pela relação com a história do monumento, e sustentabilidade, porque privilegia e valoriza o que é local, neste caso, o produto local a oliveira e a azeitona.

Source: Patrimonio Cultural